Segue o teu destino,

1 12 2009

“Segue o teu destino,
Rega as tuas plantas,
Ama as tuas rosas.
O resto é a sombra
De árvores alheias.

A realidade
Sempre é mais ou menos
Do que nós queremos.
Só nós somos sempre
Iguais a nós-próprios.

Suave é viver só.
Grande e nobre é sempre
Viver simplesmente.
Deixa a dor nas aras
Como ex-voto aos deuses.

Vê de longe a vida.
Nunca a interrogues.
Ela nada pode
Dizer-te. A resposta
Está além dos deuses.

Mas serenamente
Imita o Olimpo
No teu coração.
Os deuses são deuses
Porque não se pensam.

Fernando Pessoa. Livro “Odes de Ricardo Reis”.

Anúncios




Nada, senão o instante, me conhece.

1 12 2009

“Se recordo quem fui, outrem me vejo, 
E o passado é o presente na lembrança. 
Quem fui é alguém que amo 
Porém somente em sonho. 
E a saudade que me aflige a mente 
Não é de mim nem do passado visto, 
Senão de quem habito
Por trás dos olhos cegos. 
Nada, senão o instante, me conhece. 
Minha mesma lembrança é nada, e sinto 
Que quem sou e quem fui
São sonhos diferentes.”

Fernando Pessoa. Livro “Odes de Ricardo Reis”.