Humano

3 02 2010

“Sou humano, e nada do que é humano me é estranho”

Terêncio. Peça de teatro “Heauton Timorúmenos” (O atormentador de si mesmo).

Anúncios