Amor sem templos

20 07 2013

“Irmãos, aqueles que continuam precisando de um templo para demonstrar seu amor a Deus, devem pouco a pouco ir construindo em seu interior o templo do amor, pois só ele permanecerá intacto. O exercício inicia com a caridade, com a humildade, com o perdão das ofensas. A besta do Apocalipse existe e está oculta em cada alma egoísta, avara e orgulhosa; somente o amor e a fé poderão dominá-la”.

Luiz Sérgio in “Mãos estendidas”.





Solução na prece

20 07 2013

“Amigo, você que hoje se encontra sozinho, oprimido, julgando-se infeliz e abandonado, sentindo vontade de morrer para fugir dos problemas, olhe à sua frente: verá sempre mãos estendidas, que somente você poderá enxergar. Espero que você não tome qualquer atitude sem antes procurar a solução na prece. Ela o apresentará a Jesus”.

Luiz Sérgio in “Mãos estendidas”





Rede vibratória

20 07 2013

“-As orações, seus nomes pronunciados em preces, vão formando uma rede vibratória e por mais que a entidade esteja com organizações umbralinas, ela é socorrida pelos abnegados lanceiros.

– Então, Josué, se um jovem suicida, todos os dias, for lembrado em prece, será socorrido onde estiver?

– Sim, as preces formam um elo e este elo dar-lhe-á condição de ser encaminhado para cá ou para outro local de socorro.”

Luiz Sérgio in “Mãos estendidas”.





Ciúme

20 07 2013

“Se temos medo de perder algo é porque ainda não temos certeza de o havermos conquistado. O ciúme é uma reção própria da ignorância”.

Luiz Sérgio in “Mãos estendidas”.





Tornar o próprio homem um deus

20 07 2013

“Se todos os homens se preocupassem um pouco mais com a dor do próximo, não exigiriam tanto de Deus e se contentariam com as provações que chegam até o seu espírito, remédio salutar para tornar o próprio homem um deus”.

Luiz Sérgio in “Mãos estendidas”.